MEU ORGULHO DE SER

domingo, 10 de setembro de 2017


DEIXA..DEIXA!

Deixa ..Escorrer  em teu corpo
Como o suor..Feito adorno
Tomando posse ..de ti.

Deixa ..Escorrer entre os lábios
Sorver teu gosto  salgado
Para matar o pecado
Pecado habita em mim.

Deixa ..A mão percorrer labrintos
Sentir!..Os pelos a eriçar
Pedindo  para prosseguir
Sabendo-te possuir.

Deixa!  Deixa!  Eu morrer nesse delirio
Saciar ..A pele  a textura..Na ansia
Dessa demência assistida
A encontrar a guarida
Para matar-me  de amar!

Deixa ..saciar a sede
Sorver  teus delirios infindos
Balsamo das ansias..Quereres
Meu corpo em ti...Unidos
A fecundar meus  desejos
No gozo desse alvoroço
Que vivo no teu sentir

Deixando amostra o esboço
Do beijo cálido no rosto
Descanso ..No  suor enfim.
Marilene Azevedo

sábado, 19 de agosto de 2017

NOITE ESCURA

                                         

                                                                    NOITE ESCURA!

Noite escura!
Como desejos
Como beijos
Que procura.

Noite escura
Arrepia
Na volúpia
Princepia
Em desejos
Morreria!

Noite escura
Absorve
Minha pele
Meu calor
O suor
Escorre livre
A procura
Desse amor.

Noite escura!
Seja breve
Não alerte
A centelha
Que crepita
Corre solta
Quase grita.

Noite escura!
Lua nua!
Brilha .. Brilha
Ilumina
Corpo e alma
Que está
A  te entregar!
Marilene Azevedo

quarta-feira, 14 de junho de 2017

TEU CHEIRO!

                                         

                                                                   TEU CHEIRO!

Pressinto teu cheiro
Ao chegar em meu corpo
Ofegante respiras
Fazendo as fibras
Da pele tremer.

Querendo você
De toques tão firmes
Que tiras  gemidos
Balbuciando palavras
Teu nome  querido
Ao brincar  ao redor

A alma desnuda
Ao corpo reluta
Na louca entrega
Que é sua sina
Tirando a mulher
Da sua rotina

Entrega de forma tão plena
Não se julga pequena
Ali..Não existe 
Apenas união de amantes
Da vida
Queimando vontades
Consumindo volúpias
Simplesmente se amar.
Marilene Azevedo

quarta-feira, 26 de abril de 2017

LUXURIA.

  
               LÚXURIA!

Perdoe a provocação
Mas é essa reação
Que teu corpo produz

Nesse caminhar lascivo
Que grita que  preciso
Desse devorar sinuoso.

Libertino..Pensamento
Que arrasa sentimentos
Que rompe as barreiras
Do tempo
Para mergulhar no teu ser

E nessa lubricidade
Que a tua alma invade
Na louca voracidade
Entregue a cumplicidade
Na receptação consentida.

Harmonia perfeita
No deslizar do teu ventre
Alma grita!  E sente
O teu prazer se chegar!
Marilene Azevedo                        

quarta-feira, 29 de março de 2017

SORTILÉGIO.

                               
SORTILÉGIOS!

Sortilégios tens nas mãos
Ultrapassa infinito
Desnuda entre gemidos
A posse do que é seu.

Volupia a emanar
Caricias a desejar
As mãos a te procurar.

Mágia ..Feitiçaria!
O encanto que carregas
Fazes a quebrar regras
Sorver esse teu querer.

Boca sequiosa ..Desejos
Beijando feito solfejos
Tirando o sons labial

E a fome tão desigual
Que se desprende e comanda
Vem debruçar na cama
Para um derradeiro ..Final

O Sortilégio..Existe
O sortilégio..persiste
Entre  você e meu Eu.
Marilene Azevedo

domingo, 8 de janeiro de 2017

QUASE UMA ORAÇÃO.

ORAÇÃO!

Gestos delicados
Ousados
Como beijo
Que roubado
Num roçar
Enamorado

Ousadia 
Não devia
Sem conter
leve pousou

E a mão 
Estremecia
Com cuidado
Acariciou

Mergulhou
Embriagada
Nessa alma
Adorada
E sorveu
O mel da fonte
Que a sede
Saciou.

transbordava
De desejos
Que cobria
O ser amado
De uma forma
Adorado.

Frenesi
Que me perdoe
Por amar  feito canção
te envolver em frases 
Mansas
Como ritos de oração!
Marilene Azevedo


 

terça-feira, 25 de outubro de 2016

PALAVREADO.



     PALAVREADO!

O palavreado desconexo
Não tem nexo
pensa em sexo
É vulgar!

Tal  e qual
Somos nós
Quem de vós!
tem a coragem
de dizer..Não é verdade!
Não pra mim..Mas para si?

Aparências ..Reticências
Para falar ..Não!  Para agir
Deixa ir!

Quando sentir necessidade
Vulgarmente com maldade
Feito reptil que rasteja
vem buscar a sua presa
Saciar a fome ..Em ti!

Com palavras  desconexas
Balbuciadas  ao ouvido
Que escutada sem sentido
Só a carne lhe entende
Prende  um grito!  Sai gemido
E a alma se surpreende.

A resposta o corpo dá
Basta apenas escutar
Pode não querer falar
Mas um simples palvreado
No teu gesto ..No tocar
E o corpo a demonstrar!
Marilene azevedo