quinta-feira, 19 de setembro de 2019

TATEAR


TATEAR

Tateio entre os lençóis
A procura  do teu corpo
Entre o meu
Não consigo ..nem sentir
Tenho medo
De não ter e nem ouvir

O porquê não quis?
O porquê deixei?
O porque abandonei?

Sei...Foi o medo..Os segredos
Escondidos desconhecidos
Que você pensou  que não veria
Eu vi!  Eu senti! Estava ali

Entre o roçar..Tatear
O suor  corria entre eu
E o escondido..Vivido
Pobre criatura..Não notava
Que  a mão que tateava
Não tocava..Apenas descobria
A alma que escondia!

Ah!  Como  fala essa pele
Conta fatos ..Atos
Reações contradições
Muitas vezes   a ocultar
O que fez sofrer nos dois!
Marilene De Azevedo
BAGÉ RS


terça-feira, 17 de setembro de 2019

CONVITE!


CONVITE!
Convido a todos a visitar o meu blog  mergulhar  numa realidade que muitos necessitam  e poucos sabem dar. A poesia tem o dom de nos fazer sonhar..Venha sonhar comigo

segunda-feira, 16 de setembro de 2019

eu/minha maneira de ser: VAGANDO NAS ILUSÕES

eu/minha maneira de ser: VAGANDO NAS ILUSÕES: VAGANDO NAS ILUSÕES. O fluido que corre nas veias É o mesmo que te permeia Na s horas de tentações Não busque rações para o fa...

VAGANDO NAS ILUSÕES


VAGANDO NAS ILUSÕES.

O fluido que corre nas veias
É o mesmo que te permeia
Na s horas de tentações
Não busque rações para o fato
Apenas se entregue ao ato
Ato das vibrações

Vais encontrar-te a ti mesmo
No caos do teu pensamento
Onde em silêncio tu moras
E deixas a alma ao relento

Vaga nas ilusões
Nas próprias contradições
Nas pregações que acreditas
Calvário de gente proscrita
A cumprir sua desdita!

A vida!   Teus ensinamentos  me dói
Fazes ver o abandono! O teto a desabar
A buscar o teu conforto..E segues a caminhar
Por isso te peço agora! 
Faça o que quiser..Só não me deixe morrer
Sem descobrir o que é amar!
Marilene De Azevedo
BAGÉ RS


segunda-feira, 15 de julho de 2019


SENSAÇÕES.

Tenho sensações esquisitas
Que as vezes me deixa aflita
Num reboliço total
Se chega como animal
Se apoderando do corpo
Que  se entrega sem medos
Num quase total abandono

Que és?  Como ousas arrebatar?
Como pode subjugar  o psique
Que vislumbra?
Onde tirastes essa certeza
Desnudas com maestria
Tornando-me
Completamente ..Tua

Ah!  Insano meus pensamentos
Repudia...E se deixa
Levar por ousadas queixas
Desse calor  que irradias
Acelerando  volúpias
Nas suas madrugadas frias

O torso delineado
Encostado no meu
Penetra
Carne! A alma
E vem morar
No que é seu!
Marilene De Azevedo
Direitos preservados pela lei 9610. 1998


quinta-feira, 4 de abril de 2019

DEDILHOS DE ALMA!



DEDILHOS DE ALMA!

Dedilho teu corpo como um velha guitarra
.....Esquecida..Jogada...
Não mexa!   Não se mova!
Deixee sentir   as vibras..Como cordas
.....Revivas..Não mortas...

Levemente ..Tiro sons  ..Sussurros
Baixinhos..Entrecortados
Busco sua boca..Molhada
...Sigo ..dedilhar ....

....O torso....
...Pescoço...
A mão agil ..sabe tocar
....Não desafina...
....Peregrina...

....Estremece...
....Reage....
Sabe o que quer
.....Terá!....
Não será  tocado
.....Como está!....

....Pertence ...
....A violeira....
Que em seus braços
....Vai morar....

....Emoção!....
.....Explosão....
Suas mãos corre juntas
Não sabe onde vai dar
....Se querem ...
....Vão estar...

.....Toca...
Ousadamente
....Carne...
.....Pele...
...Invade...
Invade o meu
....O teu....
....É seu!...
Marilene De azevedo
Direitos preservados pela lei  9610.1998

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019


PESSOA QUE SOU!


Eu sou como sou!  Um pouco vazia..outras transbordando
Muitas sufocando tentando ser gente..De forma aparente
Querendo viver ..Querendo sorrir..Trazer alegrias para o novo porvir
Mas eis que ..Eu sou ..Um monte de nada de mágoas e dores .
Sorrisos grotescos. Que queima com os olhos o caos que lhe habita
Que grita!  Sufoca!   Que mata ..Renasce cantando de formas desiguais

Eu sou feito o vento..Tempestade anunciada  que rasca o horizonte
Dizendo que breve  o Deus do Olimpo irá esbravejar  a sua ira
Eu irei gargalhar..Eu sou  um pouquinho desse Universo
Travesso..Disperso que alguns até cuidam e outros nem sabem porque esta aqui
EU vim competir..Não deixe sair. Me prenda  nas nuvens  desse labrinto
Porque o que sinto..Afeta  quem  ousa lhe desafiar..Estranho pensar..

Eu sou esse todo..Vazio  da estrada ..Mesmo empoeirada  vislubro a imagem
Que está logo adiante querendo buscar..Aquilo que eu  estou a procura
Procuro faz tempo..Um tempo perdido ..De caos fui vestido..Rasquei  no andar
Eu sou a poeira.. Redemoinho andarilho  correndo correndo..Se vai  no caminho
Gritando sou eu!  Sou eu  o nada do tempo ..Que a tempos se foi..
E hoje so resta lembranças de nós dois.

Eu Sou..Aquilo que amei..O que eu chorei ..Por amar sem sentido
Eu sou um sonho já existido que cruza na tela ..Pelicula filmada
No cinema  da vida..Que hoje em cartaz  está a mostrar
Que pode voltar  a ser a atriz  de um filme de outrora  contava a história
De um amor arrebatador ..Que matou judiou ..E fez renascer
Na pessoa que sou!
Marilene De Azevedo
Direitos preservados pela lei 9610.1998