domingo, 25 de novembro de 2018

VITORIOSA!


VITORIOSA!

Sinto na epiderme
A tua pele roçar
O arrepio corre solto
Entranhas a te procurar

O deslizar serpenteia
Todas esquinas do ser
Acendendo as labaredas
Do abrasador querer

Tateia pelos lençóis
Como a pedir que lhe sorva
A alma brinca em jubilo
Sentindo o prazer da doma

Sussurros ditos baixinho
A implorar harmonioso
Teus gestos firmes
Teimoso
Explode o céu misterioso

Hepiderme.. Pele carne
Serpenteando vagaroso
Vai acelerar o trote
Num frenesi..Vitoriosa!
Marilene De Azevedo
Direitos preservados pela lei 9610/1998


quarta-feira, 24 de outubro de 2018

eu/minha maneira de ser: DEIXA TE PEÇO!

eu/minha maneira de ser: DEIXA TE PEÇO!: DEIXA TE PEÇO! Deixa sentir na boca teu gosto no salivar Deixa   roçar a lingua na tua pele ouriçada Querendo me aconchegar ...

DEIXA TE PEÇO!


DEIXA TE PEÇO!


Deixa sentir na boca teu gosto no salivar
Deixa  roçar a lingua na tua pele ouriçada
Querendo me aconchegar

Deixa degustar meus anseios entre sorver teus desejos
Na minha boca ..Largar..Deixa o escorrer do pecado
Do nossos beijos safados..Desnudos a nos mostrar

Deixa o serpentear nas entranhas. Querendo se alojar
Deixa !  Simplesmente deixa! Que me entregue insana
Na voracidade da cama querendo te penetrar

Deixa sentir  o teu hálito morno o teu sussurar  tão louco
Que o meu corpo responda sem mesmo tu perguntar
Eixa eu ser so tua como a fome a rua  quereno te degustar

Deixa!  Deixa te peço entre gritos e tu respondes aflito
Na ansia de saciar.
Deixa eu ver o teu gozo de forma plena sequioso
O meu desejo matar!
Marilene De Azevedo 24/10/2018
Direitos preservados pela lei 9610/1998


domingo, 14 de outubro de 2018

ETERNO CAVALEIRO!


ETERNO CAVALEIRO!

Desperto com teus sentidos
Em alvoroçados arrepios
A tua pele roça na minha
 E os seios entumecido
Responde aos teus gemidos
A procurar-se em tesão

Deixo correr tão solto
Com as mãos voarem no corpo
Num alisar sedutor
Parece  que vai romper
O ventre do meu amor

A boca desliza quente
E e repente o arfar
Se torna mais  alucinante
Correndo feito infante
Atrás do que vem buscar

O toque ..Perfeito firme
Onde as entranhas se entregam
Não tem mais jogo..Agora
A ordem é a entrega.

Toma com avidez nesse prazer eloquente
A onde transparece a certeza
Do mútuo prazer  somente
Perfeito elo sem rumo
Que os sem limites conhece
Que nada fica no rumo
Os sem limites ..Padece.

Harmonia  sem igual
Os sons acompanha com maestria
Sussurros ditos  em ansias
Toques acelerados
Embevecidos se entregam
A vida fazendo festa!

Meu cavaleiro ambulante
Que cavalga no meu ser
És tão pleno dentro em mim
Que jamais  deixo de ter!
Marilene Azevedo 14/10/2018
Direitos preservados pela lei 9610/1998


domingo, 7 de outubro de 2018

GRITOS DE AMOR.


GRITOS DE AMOR!

A sensualidade que emanas a tua pele morena
Contrasta com meu desejo a devorar-te no olhar
Quisera ser essa gota que corre solta no rosto
Que brinca feito um esboço no ávido desejo de amar

O deslizar que percorro como a possuir-te inteiro
Volúpia dos meus carinhos no toque e no teu cheiro
A sugar os meus anseios  como fonte que sacia
A alimentar minhas fomes com gestos que aprecia

Deixe teu corpo inerte na visão do meu olhar
Quero mergulhar inteira nesse teu jeito de amar
Procurar a tua boca para pode penetrar
Na alma e no seu gosto ..Na fonte ..A sede matar

Expandir peito no peito
Roçar  o ventre no ventre
Sentir emoção sucumbir
A depositar sua semente

E a gota que começou..
Agora corre faceira
A deslizar pelo torso
Levando a alma inteira
Gritando que seu amor
É dela ! De qualquer maneira!
Marilene Azevedo 06/10/2018
Direitos preservados pela lei 9610/1998


sábado, 4 de agosto de 2018

DEVORO-TE!


DEVORO-TE!


.....Devoro-te....
Como quem devora o desejo
.....O beijo!....
.A pele..O suor..

....Devoro-te...
O olhar carinhoso
....Desejoso....
...Malicioso....

....Devoro-te...
O gosto salgado
...Escorres...
....Olfato...
Exalar o teu cheiro
...Me prende...

....Acende...
E no devorar
...Esqueço...
...Enlouqueço...
...Devoro-te....

.E ao saciar..
Meus desejos
...A lingua..
Procura ansiosa
...A boca...
Tão maliciosa
...Devoro-te...
...Ao sorver...
...Prazer!..

....engulo...
...De forma ...
...Rude...
...Impulsiva....
E já não pensa
...Só sente...
...Exuberância...
...Crescente...
...Que vive...
Dentro do ser!

....Devoro-te..
Nas minhas madrugadas
...Silenciosas...
No sussurrar das alcovas
No toque  da mão segurar

....Devoro-te ...
....E ao devorar...
....Me entrego...
....Tua! Nua...
Em perfeita sintonia
Que a vida quis brindar!
....Devoro-te!.....
Marilene Azevedo
04/08/2018
Direitos preservados pela lei 9610/1998

domingo, 3 de junho de 2018

VIM BUSCAR


VIM BUSCAR!


Levanto a mão para tocar-te ..Sentir  tua imagem no ar
Quem sabe transpor  esse louco delirio ..Que vivo constante
Te traga para perto de forma precisa..Presença  no olhar
Que sinta o calor do corpo que chega ..Preciso te amar.

E o toque da mão ao sentir o teu corpo percorre  o suor
Desliza no embalo da gota que caí delineando seu rosto
E  o beijo salgado ira pousar  na tua boca..Pois a mão !
Essa louca...Agora percorre teu lábio molhado de forma desejado

Não quer  nem pensar ..Apenas tocar  pois sabe que aos poucos ira´repousar
Deixe ...Deslizar ..Sorriso perfeito..Delimitar  meus limites ..Permite?
Que roube  a maciez de forma sutil ..que sugue pra mim o salgado sabor
Que a gota suor que molha discreta..Quieta..Carrega minha boca  me mate de amor?

Deixe que ela brinque ..De forma delicada ao cair no teu torso  e a saliva abundante
Quase sufocante de tanto desejo..Percorre o mamilo de forma sequiosa feito fruta gostosa
Sendo devorado de forma ousada..Sempre foi desejado..E a agora suas mãos estão a tocar
E a lingua a roçar.

Perdoe o delirio transpus  o universo imerso da mente me fiz pessoalmente
Estou tão presente que a combinação de gota suor ..Mão e a boca se faz harmoniosa
Numa dança perigosa enlançando teu corpo de forma perigosa pois sabe que agora
Retorno ..Não terá ! Irá se entregar  de forma tão plena que a gota serena que pousa
No falo  a tocar e a beijar ..Enfim chegará   ao que veio buscar!
Marilene Azevedo
03.06.2018
Direitos preservados pela lei 9610.1998